Home / Destaque / No mês da Consciência Negra, escola de Brasilândia promove “Seminário Diáspora Africana”

No mês da Consciência Negra, escola de Brasilândia promove “Seminário Diáspora Africana”

NO mês da Consciência Negra, a Escola Municipal Antonio Henrique Filho promove ao longo deste mês o II Seminário Diáspora Africana. A ação conta com o apoio da Secretaria Municipal de Educação, da Prefeitura de Brasilândia e Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Brasilândia (SINTED)

A primeira ativida de do evento foi realizada no último dia 07 de novembro, com a Oficina “Turbante-se: Resistência e Identidade Negra”, realizada na própria escola.  A oficina foi coordenada pela coordenadas pelas professoras Marciana Santiago e professora Giselle Leite para 16 meninas que estudam na escola. “Ficamos surpresas pela quantidade, pois achamos que teria até menos. O objetivo foi discutir a questão da identidade negra, os espaços que essas mulheres ocupam e fazer o contraponto no empoderamento. Nossa escola tem muitas meninas negras que passam pelo processo do aceitamento do cabelo e para nós foi importante trabalhar isso”, disse a professora Marciana.

A oficina contou com roda de roda de conversa,  apresentação de vídeos e também tutoriais de penteados. “O resultado foi muito bom nós e pretendemos aprimorar para o ano que vem. Foi muito bacana a interação das meninas, no começo foram tímidas, mas depois elas relataram momentos de racismo e de não aceitação de ser negro e também do cabelo. Sabemos que é um processo conflituoso e que vai com o desenrolar do tempo”, frisou a professora.

OUTRAS ATIVIDADES

No dia 29 de novembro, às 18h, a escola recebe o evento “Café com prosa: discutindo as diversas faces do racismo” e, além disso, haverá o CinEscola com filme “Histórias Cruzadas”, com direção de  Tate Tylor e produzido no ano de 2011.

A sinopse do filme se trata nos anos 60, no Mississippi, onde uma garota chamada Skeeter, pertencente a alta sociedade retorna para sua cidade determinada a se tornar escritora. Ela começa a entrevistar as mulheres negras da cidade, que deixaram suas vidas para trabalhar na criação dos filhos da elite branca, da qual a própria Skeeter faz parte. Aibileen Clark, a emprega da melhor amiga de Skeeter, é a primeira a conceder uma entrevista. Apesar das críticas, Skeeter e Aibileen continuam trabalhando juntas e, aos poucos, conseguem novas adesões.

Já no dia 27 de novembro, às 19h, também na sede da Escola, haverá a palestra: “A configuração da Lei 10.639/03 entre saberes e práticas no ensino básico”, ministrada pela professora Me. Pela UFGD Melina Lima Pinotti. Além disso, no mesmo dia haverá o Sarau de poesia africana e exposição com o tema “A África é aqui”.

Todos os eventos são gratuitos e abertos a toda comunidade. Haverá emissão de certificados aos interessados.

Fonte: Divulgação/PMB

Veja Também

Câmara de Vereadores de Santa Rita do Pardo-MS tem Nova Mesa Diretora

Os vereadores da Câmara Municipal de Santa Rita do Pardo-MS elegeram nesta segunda-feira (11) em ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *