Home / Destaque / Observatório sismológico não confirma tremor de terra na noite de segunda

Observatório sismológico não confirma tremor de terra na noite de segunda

O Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (Obsis/UnB) não confirmou a ocorrência do suposto tremor de terra, em municípios do interior paulista, e nem na região de Três Lagoas. O suposto fato teria ocorrido na noite de segunda-feira (29), por volta das 20h30, e foi relatado por diversos internautas na rede social. Alguns três-lagoenses garantem terem ouvido um forte barulho, como se fosse uma explosão.

A equipe de reportagem entrou em contato com o Observatório da UNB e a informação oficial é de que não houve tremor de magnitude considerada. A análise, segundo a instituição, foi feita na região de Araçatuba, Castilho e Andradina.

Três Lagoas, segundo o Observatório, não registra tremor de terra há muitos anos. Ainda de acordo com a instituição, tremores em Mato Grosso do Sul estão mais concentrados em Coxim, Corumbá, em áreas da Bacia do Pantanal. O último tremor registrado no estado foi em Aquidauna, no dia 23 de março de 2017, com o abalo de magnitude 2,8 na escala Richter.

Relatos

Na página do JPNEWS, na rede social,  a internauta Danielli Morett Roubert contou que ouviu o barulho.  “Eu moro no bairro jota ka estava no quarto dai ouvi um barulho tipo uma porta caindo ou uma batida estava chovendo na hora falei amor alguma coisa caiu ou batel mais não tremeu nada aqui em casa só o barulho mesmo”.

O internauta Antonio Junior também disse que ouviu algo. “ Eu moro no Santa Luzia, eu escutei um estrondo muito forte ontem a noite, mas não senti nada tremendo”.

“Foi um barulho parecendo um estrondo. Uma coisa horrível. Foi na hora da chuva, mas não era trovão. Achei que fosse explosão na usina, ou em alguma indústria de Três Lagoas”, contou Joel Manoel de Souza, sitiante em Castilho (SP).por:jpnews

Veja Também

Auto Escola ‘doa’ Carteira de Condutor (de bicicleta)

Sendo o mês de maio, um mês dedicado ao Trânsito, a AUTO ESCOLA MARTINS, cujo ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *